Abertura: Eternamente Pagú

Direção: 
Norma Bengell

SINOPSE

A partir do final dos anos 1920, mas ainda sem 20 anos, Pagú deslumbra tanto intelectuais quanto escandaliza a sociedade burguesa paulistana. Torna-se mãe de um filho cujo pai é Oswald de Andrade, cintila tanto quanto Tarsila, e milita pelo Partido Comunista Brasileiro e em movimentos socialistas. É presa, passando a imergir em todos os acasos que se descortinam diante de si.

FICHA TÉCNICA

Duração: 
100
Ano de Produção: 
1988
País de Origem: 
Brasil
Cromia: 
Colorido
Formato Original: 
35mm
Formato de Exibição: 
35mm

PROGRAMAÇÃO

18.01.2018

quinta-feira | SALA BNDES | 20:00